De Jundiaí para o mundo: artista plástica inova produzindo arte digital.
parallax background

DE JUNDIAÍ PARA O MUNDO: ARTISTA PLÁSTICA ALESSANDRA BUSANELLI INOVA PRODUZINDO ARTE DIGITAL

AZULEJO PARA BANHEIRO: O TRADICIONAL QUE NÃO SAI DE MODA
16 de abril de 2021
CONSTRUÇÃO CIVIL GERA MAIS DE 40 MIL VAGAS DE EMPREGO SÓ NO ANO DE 2021
21 de maio de 2021

DE JUNDIAÍ PARA O MUNDO: ARTISTA PLÁSTICA ALESSANDRA BUSANELLI INOVA PRODUZINDO ARTE DIGITAL

Da computação para as telas, a artista trabalha com um formato pouco conhecido no Brasil

A jundiaiense e artista plástica Alessandra Busanelli, estudou ciência da computação e trabalhou na área durante nove anos, entretanto sempre teve contato com computação gráfica, sendo essa a primeira relação que teve com a arte.

Em 2002, estudou Artes Plásticas na Escola Panamericana de Artes, utilizando o computador para criar. “Não imaginei trabalhar com informática novamente, eu queria desenvolver a pintura, mas o computador me deu todo o suporte. Não tive dúvidas em voltar a usar as ferramentas”, e completa: “voltei para as minhas origens”.

Depois de formada, Alessandra foi em busca de galerias para expor seu trabalho e se deparou com uma questão que iria acompanhá-la durante o início de sua carreira: qual seria a classificação do seu trabalho, já que no Brasil haviam somente 5 profissionais que realizavam esse processo artístico? Foi fora do país que ela encontrou o nome: arte digital.

A arte digital é um processo criativo desenvolvido no computador, desde a pesquisa aos primeiros esboços, até o resultado final onde a peça é um arquivo digital que posteriormente pode ou não ser impresso. A impressão desse projeto pode ser realizada em diversos tipos de materiais, como lona, tecido, ou até mesmo em papel fotográfico. Há também a possibilidade de impressão em vinil adesivo, e aplicação de vidro e mdf. Alessandra comenta que ao contrário de um artista que trabalha pintando telas e posteriormente realiza a aplicação da moldura, a arte digital conta com diversos fornecedores por trás, todos eles responsáveis por um tipo de material que será utilizado no projeto.

Hoje a artista conta com 16 anos de carreira e coleciona troféus de reconhecimento sobre seu trabalho. Ganhou uma Menção Honrosa concedida por Claudio Tozzi e Rubens Gerchman em 2005, e conquistou o 1° prêmio em Arte Digital no Salão de Internacional de Artes Visuais de São Paulo, além disso participou de diversas exposições nas cidades de São Paulo, Paris e Nova Iorque.  

Em conversa, ela conta que tudo pode ser inspiração para criar, desde filmes, viagens, musicas, referências culturais, até memorias e lembranças pessoais. Atualmente ela trabalha em uma série de azulejos portugueses, baseada em recordações de viagens que realizou. “A criação é como uma experiência sensorial, são cheiros, sons, gostos, memorias afetivas. Está tudo no subconsciente e o trabalho vem à tona”. Alessandra relata que seu objetivo ao desenvolver uma peça, não é para que ela seja meramente decorativa, arte é provocação e confessa ser curiosa a forma como cada pessoa reage. “Tem gente que tem vontade de passar a mão na peça, outros sentem algum tipo de inquietação. As interações do público acontecem de formas diferentes”.

Atualmente, a grande maioria de suas peças são desenvolvidas sob encomenda via personalização para o cliente. O tempo de criação e apresentação da primeira versão leva em média 15 dias, após isso soma-se mais 15 dias para impressão. A entrega da peça acontece em um prazo médio de 30 a 45 dias. Hoje 90% do seu público é brasileiro por conta da dificuldade em encontrar fornecedores fora do pais que realizem a impressão, emolduração e outros, e também pela dificuldade burocrática na exportação de peças ao exterior.

Nesse ano, a Mac Lucer empreendimentos realiza a entrega do Residencial Mutton na cidade de Itatiba, e três telas da artista farão parte da decoração, sendo um quadro em cada torre, um na torre Milão, um na torre Veneza, e outro no salão de festas.

A arquiteta e decoradora da Mac Lucer, Gisele Veroneze, diz que trazer as obras para dentro do Mutton, fez do empreendimento um espaço não só residencial, mas também cultural. As peças escolhidas faziam parte do acervo pessoal da artista e a busca foi por quadros modernos, com cores, que refletem ao que é o Residencial. “Para nós é uma honra considerando que Alessandra também é da região”. Os futuros moradores do Residencial Mutton poderão apreciar as obras pessoalmente em breve.

Alessandra finaliza dizendo que ama o que faz e que não existe satisfação maior que a de um cliente que se identifica com seu trabalho.

(Visited 22 times, 1 visits today)
Open chat
Powered by